3.5.07

Da Utilidade da Poesia

- Conheces aquela do poeta "maldito" no "avião privado de Sua Alteza Real o Príncipe Fayçal" da Arábia Saudita?
- Integrado numa comitiva do Ministério da Cultura? Conheço.
- Então já sabes para que servem os poetas.
- Para animar o voo dos Príncipes?
- Pois.

8 comentários:

manuel a. domingos disse...

não vou comentar, mas acho desnecessário

Esteva disse...

Acha desnecessário o quê? A viagem do poeta útil? Ou o quão útil a poesia pode ser a alguns poetas? Ou que a poesia possa ter utilidade? Ou que a utilidade não tenha poesia nenhuma? Ou que a poesia não é do tipo de coisas utilizáveis?

Anónimo disse...

Essa pode ser uma utilidade, mas também há outras... A poesia é definitivamente algo utilizável, quer para o poeta, quer para os seus leitores, e não me parece que perca irremediavelmente com isso. Contudo, penso que de todas as suas funções a de louvar ou entreter é a menos interessante, apesar de existirem obras como os Lusíadas...

Cadáver Morto disse...

agora perdi-me.

há algum jornal que deva ler ou ando distraído?

hmbf disse...

Não é nada desnecessário, manuel. É até bastante pertinente. Também é nestas coisas que se vê quem tem coluna.

JMS disse...

Agradeço-te o elogio, Henrique, mas não acho que seja sequer uma questão de coluna, apenas de coerência ... estética (já que se trata aqui de literatos): os ditadores são muito feios.
Não significa isto que eu considere obrigatório, seja para quem for, lutar contra eles; neste aspecto, já me dou por satisfeito com os serviços éticos mínimos: não os adular, não lhes pedir favores, não entrar nos seus paços ou nos seus aviões. Não ser, enfim, um colaboracionista activo. Abraço.

hmbf disse...

JMS, não que não pudesse ser, mas, na realidade, a minha intenção não era tanto elogiar-te como criticar aqueles que, enrolando-se numa capa de “malditos”, não se importam de representar o papel de bibelots em comitivas ao serviço de sua majestade.

Anónimo disse...

Quem, caramba?